Sem querer, querendo…

Publicado por: Em: 20/11/2014

Poucos países no mundo têm um ambiente tão hostil quanto a Islândia, a pequena ilha europeia localizada no Atlântico Norte. Com uma área pouco maior que o estado de Santa Catarina, a Islândia tem quase 90 vulcões em seu território e a crosta terrestre lá é mais fina do que no resto do planeta.
Por conta desses fatores, 90% do sistema de aquecimento e 25% da geração de energia do país são gerados a partir das atividades vulcânicas da ilha.
A extração da energia até hoje só é feita através da retirada de calor das rochas basálticas superaquecidas pelo magma do subsolo, esse calor é usado para criar vapor de água e, assim, gerar energia.
Foi um erro da companhia de energia nacional que começou a mudar isso. Sem querer, durante a perfuração de um poço, os profissionais furaram além do previsto e atingiram uma espécie de câmara de magma. Os técnicos perceberam que o vapor que saía do duto era muito mais quente do que conseguiam das rochas basálticas, cerca de 450 graus Celsius.
Com essa descoberta, do vapor superaquecido, os Islandeses estão conseguindo ampliar em até dez vezes a capacidade de geração de energia das turbinas. No caso desse poço acidental, a expectativa é que ele seja capaz de produzir cerca de 36 MWh, o que seria suficiente para abastecer mais de 90 mil residências e representa mais da metade do que é produzido pela maior usina geotérmica do país.
A companhia começou a investir na perfuração dessas câmaras que liberam vapor superaquecido e para melhorar a eficiência do sistema fazem perfurações adicionais na mesma câmara para injetar água pressurizada a fim de aumentar o volume de vapor.
Há hoje uma discussão sobre a construção de um cabo submarino para transmitir eletricidade para a Europa, o que causaria um aumento significativo nas vendas de energia. A Islândia que quebrou na crise de 2008, tem a perspectiva de dar a volta por cima vendendo um bem cada vez mais caro e escasso na Europa: energia elétrica de fontes renováveis e não poluentes.

Fonte: ISTOÉ 28/05/2014

Leave a Reply